MICRORREGIÕES PANTANEIRAS: CÁCERES

Por 19 de fevereiro de 2021março 23rd, 2021Microrregiões Pantaneiras, Notícias

Apesar de ser um bioma único, o Pantanal é formado por 11 microrregiões! Cada uma possui diferentes características naturais e pode abrigar distintas espécies de animais, que variam de acordo com as condições da região. E, para que você conheça todas, nós estamos explicando uma a uma!

 

Cáceres. Foto: MP- MT

 

Cáceres

Localizado na região sudoeste do estado de Mato Grosso, Cáceres é um município com uma área territorial de 24.796,8 km2. Com uma população estimada em 94 861,  segundo o IBGE,o município faz fronteira com a Bolívia e é a principal cidade mato-grossense abrangida pelo Pantanal. O município se divide em quatro distritos: Cáceres/Sede, Santo Antonio do Caramujo, Horizonte D´Oeste e Vila Aparecida. 

A cidade de Cáceres (sede do município) está situada a 215 km da capital do Estado (Cuiabá).

 

Mapa de Cáceres (Mato Grosso)

Imagem da internet

 

História

A região de Cáceres foi a primeira a ser explorada no estado do Mato Grosso. Antes mesmo da fundação de Cuiabá, os portugueses já exploravam a região. O nome “Cáceres” é uma homenagem ao Governador da Capitania de Mato Grosso que fundou o povoado que mais tarde se tornaria sede municipal: Luiz de Albuquerque de Melo Pereira e Cáceres.

Com o surgimento de Cuiabá e de Vila Bela da Santíssima Trindade, a região de Cáceres passou a receber uma grande importância geopolítica, garantindo facilidades para o progresso, seja por via fluvial (Rio Paraguai) ou ponto de parada terrestre.

A cidade de Cáceres surgiu como um pequeno povoado, recebendo o nome de Vila Maria do Paraguai. Sua fundação se deu pela necessidade de defesa e incremento da fronteira sudoeste de Mato Grosso; a comunicação entre Vila Bela da Santíssima Trindade e Cuiabá e, pelo Rio Paraguai, com a capitania de São Paulo; e a fertilidade do solo no local, com abundantes recursos hídricos.

 

Catedral São Luís de França. Foto: Rodinei Crescencio

 

Patrimônios históricos

Fundada no século XVIII, Cáceres possui inúmeros elementos de alta relevância. Parte do centro do município, fazendas, usinas e sítios arqueológicos são tombados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Até hoje é possível visitar edificações na região em perfeito estado de conservação. 

 

Turismo 

Localizado em uma região de alta potencialidade turística, Cáceres se destaca pelo contexto histórico e esportivo. A beleza e imponência do Rio Paraguai e seus afluentes é um grande chamariz para atrair visitantes. A região se desenvolve em torno da pesca esportiva sendo sede de um evento mundial: o Festival Internacional de Pesca Esportiva (FIPe), maior campeonato de pesca do mundo em águas fluviais, segundo o Guinness Book.

Festival de pesca em Cáceres. Foto: Pesca Amadora

 

Porém, o turismo de observação de natureza vem ganhando espaço neste portal mais ao norte do Pantanal.

Em Cáceres também fica a base do projeto Bichos do Pantanal. A iniciativa atua para ampliar o conhecimento científico e a preservação da biodiversidade pantaneira. O objetivo do projeto é visitar, mapear e analisar toda a região, para que no final seja produzido um inventário com documentação das populações e territórios dos animais estudados, registrando habitat, comportamento, dieta, sazonalidade e outras informações.

Onça-pintada é um dos atrativos de fauna da região. Foto: Douglas Trent/Bichos do Pantanal

 

 

O projeto também trabalha o desenvolvimento de Educação Ambiental em comunidades, que inclui programas de capacitação de monitores e guias de observação de vida silvestre, que serão os líderes desta reconexão com a natureza.

 

Cidade Selvagem

Em 2018,  uma onça-pintada foi avista em uma ilha bem na frente do porto da cidade, na região central de Cáceres. O mesmo indivíduo passou a ser observado e reconhecido por dias pela população.  A notícia sobre este fato está aqui.

Onça-pintada foi fotograda em ilha no Centro de Cáceres (MT) — Foto: Wagner Antonio de Souza Jr/Arquivo Pessoal

Também quer conhecer a cidade selvagem e tentar avistar a tal onça? Então já pode incluir mais essa microrregião na sua listinha de turismo!

 

Texto por: Fernanda Sá