O PANTANAL PRECISA DE VOCÊ

Informar e promover o diálogo para um Pantanal sustentável.

VOLTAR

Expedição Pantanal 2019 | Fase 6: Bonito

Como você já sabe, a Expedição Pantanal 2019 foi um verdadeiro sucesso! Nossa equipe passou 25 dias visitando os principais projetos de conservação e pontos de ecoturismo da região. Dessa forma, buscamos aproximar laços e auxiliar na promoção do desenvolvimento sustentável do Pantanal. Ao todo, foram mais de 5.000 km percorridos por terra. Mais de 600 km percorridos por rios, 11 municípios, 20 empreendimentos ecoturísticos e 11 projetos de conservação visitados!

Após a fantástica passagem pela Serra do Amolar, nós tivemos a honra de visitar um dos principais destinos turísticos brasileiros, situado na Bacia do Alto Paraguai: a região de Bonito. Com diversas opções de ecoturismo, a cidade é perfeita para os aventureiros de plantão. Nesta fase, é importante lembrar que encontramos os membros da Associação Brasileira de Ecoturismo e Turismo de Aventura (ABETA), que nos apoiou durante toda a Expedição e somos imensamente gratos pela parceria. 

Foto: Instituto SOS Pantanal

SOBRE A REGIÃO DE BONITO

A cidade de Bonito, localizada no estado do Mato Grosso do Sul e componente da Bacia do Alto Paraguai, é famosa por ter um dos maiores polos de ecoturismo e turismo de aventura do Brasil. O destino possui belezas naturais únicas e incomparáveis, que são muito bem exploradas pelos pontos de ecoturismo da região. O município é considerado um modelo por conta de algumas inovações, como: criação do voucher único; ecoturismo realizado em RPPNs – Reserva Particular do Patrimônio Natural; exigência de acompanhamento de guia de turismo; associativismo e ONGS que atuam na região como o IASB – Instituto das Águas da Serra da Bodoquena.

Com cerca de 22 mil habitantes, a cidade é bastante calma, pacata e muito bem organizada para receber os diversos turistas que a visitam anualmente. Por tratar-se de uma região onde a economia e sobrevivência dos moradores dependem da natureza, o turismo local estimula a proteção das belezas cênicas nativas e exalta a importância da conservação a todos os visitantes. Os passeios são realizados sempre por um guia local, que auxilia no conhecimento mais profundo dos principais pontos de ecoturismo, das espécies animais e vegetais, além de orientar sobre boas práticas para evitar a degradação do ambiente. 

Foto: Instituto SOS Pantanal
Foto: Instituto SOS Pantanal

1ª PARADA: BOCA DA ONÇA

Nós já começamos nossa visita à Bonito com bastante emoção. A primeira parada foi na Boca da Onça Ecoturismo, conhecida por ter o maior rapel de plataforma do Brasil, com incríveis 90 metros de muita aventura! 

Foto: Instituto SOS Pantanal

A primeira etapa da atividade é saber se você está apto a realizá-la. Por isso, toda nossa equipe fez um treinamento de rapel com profissionais especializados, garantindo assim a segurança de todos. Após os treinamentos, seguimos para a plataforma e descemos os 90 metros de rapel, admirando a beleza da cachoeira da Boca da Onça.

Foto: Instituto SOS Pantanal

Passado o momento de maior emoção, seguimos o roteiro da visita pela Trilha Adventure, que passa por 8 cachoeiras e 4 pontos de banho, totalizando 4 km. Tivemos o prazer de mergulhar e recarregar as energias na piscina natural que se forma ao final da cachoeira da Boca da Onça. Mais adiante, também pudemos tomar banho no Rio Salobra, além de fazer algumas paradas de contemplação com vistas magníficas.

Foto: Instituto SOS Pantanal

 

Foto: Instituto SOS Pantanal

2ª PARADA: ESTÂNCIA MIMOSA

No dia seguinte, visitamos outro belíssimo ponto de ecoturismo: a Estância Mimosa. Chegamos bem cedinho para aproveitar o dia e fomos logo recebidos pelo Eduardo Coelho e sua esposa Simone Coelho, proprietários do local e conselheiros do SOS Pantanal.

Foto: Instituto SOS Pantanal

Para preservar toda a beleza local, eles decidiram transformar 66% da área total da fazenda em Reserva Particular do Patrimônio Natural. A RPPN Estância Mimosa foi criada oficialmente em fevereiro de 2013! 

As atividades oferecidas na fazenda são: trilhas e banhos de cachoeira, passeio a cavalo e observação de aves – que acaba permitindo a observação de outros animais selvagens. Nós tivemos a oportunidade de percorrer a trilha por dentro da mata ciliar do Rio Mimoso, que passa por leitos de riachos secos, passarelas e por 10 cachoeiras de tamanhos e formas variadas, com ótimos locais para banho e até uma plataforma de salto! Durante o percurso, é possível fazer paradas estratégicas para contemplar a vista privilegiada da Serra da Bodoquena. Incrível!

Foto: Instituto SOS Pantanal

3ª PARADA: RIO SUCURI

A terceira parada da viagem, ainda no mesmo dia, foi o Rio Sucuri Ecoturismo. A principal atração do local é uma belíssima experiência de flutuação que dura 50 minutos, percorrendo as águas incrivelmente azuis e cristalinas do Rio Sucuri. Se estiver em um dia de sorte, o turista ainda pode observar a famosa cobra sucuri, especialmente da espécie sucuri-verde (Eunectes murinus) que habita a região.

Foto: Instagram @jvdelafuente

O estabelecimento fornece todos os equipamentos necessários: roupa de neoprene, colete de flutuação e calçado adequado para a atividade. Com eles, o corpo se mantém suspenso na água e o visitante não precisa de preocupar com habilidade para nadar.

 

Foto: Instituto SOS Pantanal

Após uma trilha bem tranquila, chegamos ao encontro das nascentes do rio (principal nascente da Figueira e poção azul) que é um privilégio exclusivo do Rio Sucuri Ecoturismo. Nós recebemos também a máscara de mergulho e o snorkel, que nos permitiram apreciar tranquilamente o  jardim subaquático de 1800m, em uma das águas mais cristalinas do Brasil!

Foto: Instituto SOS Pantanal

4ª PARADA: RIO DA PRATA

No amanhecer do dia seguinte, seguimos nosso roteiro rumo ao Recanto Ecológico Rio da Prata. O recanto também pertence ao casal Eduardo e Simone Coelho, que novamente apresentaram um serviço de excelente qualidade. A visita oferece uma experiência única de interação com a natureza, por meio de passeios de ecoturismo focados em inovação, conservação ambiental e desenvolvimento sustentável da região. A preocupação com a natureza ficam bastante evidentes durante as atividades, que podem incluir trilhas, flutuação, mergulho com cilindro, passeio a cavalo, observação de aves e roteiros de estudo do meio.

Foto: Instituto SOS Pantanal

Lá, nós tivemos a oportunidade de realizar as trilhas e fazer a belíssima flutuação no Rio da Prata. Para chegar à nascente do rio Olho D’água, onde se inicia o passeio, fomos à bordo de uma caminhonete adaptada até a RPPN do local. A agradável caminhada que fizemos pela mata ciliar do Rio da Prata nos permitiu observar inúmeras árvores centenárias e avistar algumas espécies de animais, como: bugio, queixada, cutia, cateto, além de algumas espécies de aves. 

Foto: Instituto SOS Pantanal

Ao chegar na nascente do Rio Olho D’Água, recebemos todas as orientações do guia para evitar a degradação ou poluição do rio. Acompanhados por ele o tempo todo, começamos o passeio e fomos suavemente levados pela correnteza, a sensação é de relaxamento e agradáveis surpresas cênicas. Cardumes de piraputangas, dourados, curimbatás, piaus, matogrossinhos e outros peixes do Pantanal foram alguns dos nossos companheiros durante a descida pelo rio.

Foto: Instituto SOS Pantanal

 

Instituto SOS Pantanal

 

Foto: Instituto SOS Pantanal

Após a flutuação, retornamos à sede e saboreamos um almoço muito especial com iguarias da cozinha pantaneira. A sobremesa com doce de leite produzido na própria fazenda coroou uma experiência magnífica.

5ª PARADA: BURACO DAS ARARAS

Depois de um almoço glorioso, seguimos rumo ao Buraco das Araras Ecoturismo. A base de ecoturismo oferece atividades que giram de um torno de um objetivo primário: a observação de aves locais, especialmente as araras. O passeio começa por uma caminhada suave, realizada em uma trilha de 970 metros, com duas plataformas para observação de uma dolina. É importante frisar que monitores e guias especializados bilíngues nos acompanham durante todo o trajeto.

Foto: Instituto SOS Pantanal
Foto: Gustavo Figueirôa

A contemplação das aves é uma experiência muito enriquecedora. Durante o avistamento, é possível observar o vermelho, verde e branco em perfeita harmonia; podemos perceber alguns hábitos e padrões de comportamento dos animais; além de notar outras espécies que coexistem de forma respeitosa no mesmo espaço. Incrível!

Foto: geoparkbodoquenapantanal.ms.gov.br

6ª PARADA: ABISMO ANHUMAS

Nossa última, mas não menos importante, parada de ecoturismo foi o Abismo Anhumas:  uma caverna localizada a 23 km de Bonito.

Foto: Instituto SOS Pantanal

A pequena fenda no chão é a porta de entrada para um verdadeiro paraíso natural. Os visitantes descem de rapel vertical até o fundo da caverna, que possui 72 metros (equivalente a um prédio de 26 andares), já aproveitando para admirar uma belíssima vista. Ao fim do rapel, chega-se num deck flutuante construído sobre o lago de águas cristalinas. O ambiente aquático possui incríveis 80 metros de profundidade e a largura de uma campo de futebol! Fizemos um passeio de barco inflável para conhecer melhor a caverna e suas formações, mas também tivemos a oportunidade de cair na água – com temperatura média de 18º C – e observar de perto um “vale de cones” escondido nesta caverna há milhares de anos, por meio da flutuação. Os cones de calcário apresentam formações que podem atingir até 20 metros de altura!

É legal lembrar que no fundo da caverna há banheiro químico, para que nenhum dejeto humano seja despejado nas águas.

Foto: Eduardo Rocha /Bonito Scuba

Aos mergulhadores certificados, o Abismo Anhumas possibilita um mergulho ainda mais profundo nesta joia natural: é possível descer até 18 metros. A prática é realizada em parceria com o Bonito Scuba Divers, que disponibiliza profissionais capacitados para acompanhar o mergulho e realizá-lo de forma segura! Dois integrantes de nossa equipe puderam realizar a atividade e descobriram um novo universo de formas, luminosidade e toda a amplidão de uma das cavernas mais surpreendentes do Brasil! Os mergulhadores puderam ver até mesmo o esqueleto de um tamanduá-bandeira que há décadas está no fundo do abismo!

Foto: Instituto SOS Pantanal

 

Foto: Instituto SOS Pantanal

7ª PARADA: INSTITUTO DAS ÁGUAS DA SERRA DA BODOQUENA (IASB)

Antes de partir para a sétima fase da Expedição Pantanal, fizemos uma última parada na base do Instituto das Águas da Serra da Bodoquena (IASB). Uma conversa com a equipe alocada no local, nos permitiu compreender melhor o incrível trabalho realizado pela organização. 

Com o intuito de avaliar o estado ambiental dos rios da Serra da Bodoquena, o IASB realizou estudos para diagnosticar as condições de conservação das microbacias regionais, além da utilização e ocupação do solo. Dados os resultados, foi possível planejar estratégias de atuação e iniciar a elaboração de projetos voltados ao combate dos principais problemas. A partir destes projetos, o Instituto reafirmou sua missão: fomentar a recuperação florestal e Educação Ambiental na região. 

Assim como nós, a organização acredita na importância da manutenção das matas nativas, dos recursos hídricos e na capacidade de mudança do ser humano. Por isso, temos orgulho em trabalhar ao lado do IASB na luta pela conservação da Bacia do Alto Paraguai! 

Foto: Instituto SOS Pantanal

Por fim, gostaríamos de agradecer a todos os parceiros por nos receberem tão bem. Nós acreditamos fortemente no poder do ecoturismo como ferramenta de conservação e continuaremos trabalhando em conjunto com essas e muitas outras iniciativas. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *